Veja as 7 principais vitaminas para idosos e todos seus benefícios.

A longevidade é algo que veio para ficar, porém, ser um idoso saudável demanda alguns cuidados específicos, principalmente relacionados à correta nutrição. Nesse sentido, não podem faltar as vitaminas para idosos que não conseguem mais suprir as suas necessidades apenas com a alimentação.

Vitaminas para idosos? Será realmente necessário?

Sim!

Apesar de muitos idosos comerem bem, e não terem nenhum problema de saúde “aparente”, a diminuição da absorção de vitaminas e minerais pelo organismo é algo natural, fisiológico. E nesse sentido precisamos acabar com o preconceito com a suplementação.

Pensando em pessoas mais jovens, realmente a suplementação não é algo essencial na grande maioria dos casos, porém nos idosos, isso muda. Uma enorme maioria dos casos seriam beneficiados pelo uso de suplementos.

Então se você tem medo de dar para a sua avó, avô ou para os seus pais, pare! Claro que você deve procurar uma orientação profissional antes de dar os suplementos e vitaminas para idosos, porém, abra a cabeça!

Qual vitamina os idosos precisam?

Dentro do que vemos na pratica clinica, os suplementos que mais trazem benefícios para essa população são:

  • Vitamina D;
  • Cálcio;
  • Proteínas;
  • Ômega-3;
  • Creatina;
  • Ferro;
  • Minerais no geral;

Obs: NÃO suplemente nada sem a devida orientação profissional!

Vitamina D e Cálcio:

Já se é sabido de longa data a importância desses minerais para a saúde óssea e para a prevenção de quedas. Hoje, a vitamina D ainda mais que o cálcio vem se mostrando importante em outros quesitos, como na imunidade de forma geral, nas doenças autoimunes e para a cabeça.

E apesar de no Brasil não termos tantos problemas com o clima, os idosos tendem a tomar menos sol e se agasalhar mais, o que dificulta ainda mais a produção de vitamina D pelo corpo, que já é diminuída pela idade.

Proteinas:

Devido a idade, a queda dos dentes e a maior dificuldade na mastigação, a grande maioria dos idosos tendem a diminuir o consumo de carnes, trazendo um enorme problema para eles. Além das diversas vitaminas e minerais, a quantidade de proteína ingerida é de extrema importância, tanto para os músculos quanto para a força.

A diminuição no consumo de proteínas tende a prejudicar os músculos, acelerando um processo chamado de sarcopenia, no qual o idoso começa a perder a função muscular não conseguindo mais fazer tarefas básicas como tomar banho sozinho.

Ferro:

Em grande parte também pela diminuição no consumo de carnes, a deficiência de ferro tende a ser comum entre os idosos. Por esse motivo muitas vezes é interessante essa suplementação, prevenindo anemias e outras possiveis complicações que a deficiência de ferro pode gerar.

Creatina:

Apesar de não haver uma recomendação diária, e nem um processo de deficiência, a creatina é um dos suplementos alimentares mais estudados da atualidade e com diversos benefícios comprovados.

A suplementação de creatina além de gerar para o idoso um aumento de força, facilitando tarefas “básicas” como levantar, subir escadas e tomar banho, ela também atua na cognição, evitando problemas cognitivos e melhorando alguns parâmetros.

Ômega-3:

O ômega-3 assim como a vitamina D tem ganhado cada vez mais destaque pelos seus diversos efeitos para a saúde. Nos idosos em especial, além dele atuar como um potente antioxidante, ele atua também na saúde cognitiva, na depressão (quadro comum entre idosos) e no ganho de massa magra, além de diversos outros efeitos.

Polivitamínicos:

Devido a menor ingestão de alimentos, e devido a menor absorção desses nutrientes pelo idoso, é interessante o uso de um multivitamínico de forma profilática. Visando tanto evitar a deficiência quanto tentar gerar algum ganho na qualidade de vida dessas pessoas.